Cooperados

Atualmente, a Coopalm congrega mais de 500 cooperados produtores de palmito de pupunha, matéria-prima do Palmito Cultiverde. Seus cooperados são, em grande maioria, pequenos agricultores rurais, que encontram no cultivo da pupunha uma oportunidade de trabalho e renda no campo.

Para garantir que a matéria-prima do Palmito Cultiverde chegue à indústria com qualidade e possibilite que o agricultor seja melhor remunerado por sua produção, a Cooperativa acompanha de perto o agricultor rural.

São disponibilizados aos cooperados assistência técnica de qualidade que contribui na implementação de tecnologias agrícolas sustentáveis. Este trabalho permite que o agricultor ofereça qualidade de vida para sua família e um produto de qualidade para o consumidor.

Gente que faz história

Minha terra tem palmeiras | Domingos Félix

O sol ainda não acordou quando Domingos Felix, 40 anos, sai de casa. Para chegar na oficina  em que trabalha ele percorre, com passos largos, as vielas do bairro onde mora em direção ao ponto de ônibus. O olhar preocupado para o relógio demonstra a tensão de quem vai precisar de mais duas conduções e novamente caminhar para chegar ao trabalho.

Após uma jornada de mais de 12 horas de trabalho em um subemprego, Felix retorna para casa arruma as malas e confere, com entusiasmo, a passagem com destino a sua terra natal: o assentamento Mata do Sossego, em Igrapiúna – Bahia.

A cena ocorre em 2005, cinco anos após Domingos Felix ter deixando o Baixo sul da Bahia para ir em busca de emprego no Sudeste do Brasil em Vitória, capital do Espírito  Santo.

A decisão de voltar pra casa foi influenciada pelo irmão que ao retornar de uma visita contou a Domingos sobre os resultados alcançados pela família com o cultivo de palmito na propriedade dos pais.

“Meu irmão mais velho esteve na roça dos nossos pais e viu o projeto que meu pai desenvolvia. O plantio de palmito de pupunha com acompanhamento técnico da Coopalm”, recorda Felix.

“No começo custei acreditar, parecia até um sonho. Assistência técnica de qualidade, processo de beneficiamento certificado e  garantia de comercialização e oportunidade de voltar a morar perto da minha família e continuar trabalhando no campo.” Completa o agricultor.

Em pouco tempo Domingo voltou para região.

“Quando sai de casa para tentar a vida no Espírito Santo, tinha certeza que isso era o melhor a fazer. Hoje, após nove anos, vivendo na minha terra e dela tirando o sustento para minha família, penso que a melhor decisão foi voltar para minha roça”, avalia o produtor.

Atualmente, o cooperado  tem uma área de 2 hectares de plantio de pupunha. Somente com cultivo da pupunha, matéria prima do palmito Cultiverde, o produtor alcança uma renda média mensal de R$ 1.206,00.

A história de vida do agricultor anuncia de forma real um dos  objetivos da Cooperativa: fixar o homem no campo, promovendo inclusão social e consciência ambiental de maneira sustentável, por meio do cultivo e comercialização, após beneficiamento, do palmito de Pupunha.

Atualmente, a Coopalm congrega mais de 500 agricultores cooperados que, assim como Domingos Felix, encontram na Cooperativa a oportunidade de viver bem, fazendo aquilo que sabem fazer de melhor.

Colhendo o que plantou | Ivaldino Possidônio

O dia do agricultor Ivaldino dos Santos começa às 5 horas da manhã. Com 75 anos, o produtor de palmito de pupunha não esconde a vontade de continuar cuidando da lavoura que mudou a vida de sua família. Casado há 40 anos e pai de nove filhos, Ivaldino é exemplo na comunidade do Areão, no município de Nilo Peçanha (BA). São 25 mil pés que lhe rendem entre R$ 2.500 e R$ 3.000 por mês.

“Para quem nunca teve salário, com a pupunha o dinheirinho é garantido. Hoje tenho meu próprio terreno e já comprei um carro”, conta o agricultor, que é um dos sócios-fundadores da Cooperativa dos Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia (Coopalm), instituição apoiada pela Fundação Odebrecht e que faz parte do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia – PDCIS.

O sucesso dessa família também é resultado da dedicação dos assistentes educadores da Coopalm. Ao todo, 12 especialistas orientam mais de  500 associados a aplicarem, da melhor forma, as técnicas de plantio. “Capacitamos a todos para que conquistem maior produtividade, rentabilidade e liquidez”, destaca Erasmo Costa, Líder Educador, responsável pela coordenação dos técnicos.

Ivaldino, que iniciou seu cultivo em 2003, incentiva outros agricultores, inclusive seus filhos, a investirem na pupunha. “Vi o meu pai mudar de vida. Quero comprar mais terra para trabalhar. Com o palmito, sei que vou conseguir”, assegura Joelme dos Santos, 34 anos, que se associou à cooperativa em 2010 e já plantou 11 mil mudas. Gertrudes Ricarda, esposa de Ivaldino, revela sua felicidade em ver os filhos na lavoura: “Há muito tempo eu sonhava com isso”.

Fonte: www.fundacaoodebrecht.com
Editado em: Dezembro de 2014

Entre Gerações | Antonio Nascimento Santos

Antonio Nascimento Santos, 67 anos, chegou à região em 1996, ao lado de sua esposa e dos filhos, em busca de trabalho. “Não tinha onde fazer meus cultivos, aqui foi onde conseguimos. Naquela época, minha maior vontade era ter um pedaço de terra”, relembra. Com a chegada da Cooperativa dos Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia (Coopalm) ao assentamento, em 2009, o agricultor encontrou uma oportunidade de crescimento.

Antonio não trabalha sozinho. Com o filho caçula, Antonio Nascimento Santos Filho, o único dos três que permaneceu no assentamento, não divide apenas o nome: compartilha também o amor pela terra. “Agricultura é a minha vida. É o meu negócio”, afirma Antonio Filho, 27 anos, egresso da Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I) – unidade de ensino que, assim como a Coopalm, faz parte do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS), apoiado pela Fundação Odebrecht.

 “É possível viver bem na zona rural e se desenvolver sem a necessidade de migrar para os grandes centros em busca de um sonho que não existe”, assegura o novo empresário rural, que em 2011 associou-se à Coopalm. “Do futuro, só tenho a certeza de que estarei envolvido com agricultura”, garante. Seu pai aposta nesse caminho: “Fico muito feliz em ter meu filho trabalhando na terra. É do campo que a gente consegue tudo”.

 

Fonte: www.fundacaoodebrecht.org.br
Editado em: Dezembro de 2014

Sonho realizado | Francisco Bonfim

Logo cedo, Francisco Bonfim dos Santos, 48 anos, levanta para trabalhar. Com o facão em mãos, inicia sua atividade selecionando e cortando hastes de palmito. Ao fim do dia, entrega sua produção, que chega a mil unidades por mês, à Cooperativa dos Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia (Coopalm) para que seja beneficiada e comercializada. Com a venda do produto, Francisco acumula renda média mensal de R$ 1.200,00 que vem investindo em projetos pessoais. “Morava em uma casa de taipa que, quando chovia, acumulava muitas pingueiras. Depois de me cooperar, pude construir meu novo lar e ainda comprei uma moto. O próximo passo é adquirir um caminhão, que vai facilitar o escoamento da produção”, completa.

Morador da comunidade Vale do Riachão, em Piraí do Norte (BA), Francisco é associado desde 2006, dois anos após a criação da Coopalm. “Por ter me tornado cooperado, hoje sou líder do meu próprio negócio. Tenho esperanças de que, com o plantio da pupunha, vou continuar realizando meus sonhos e os da minha família. A ideia é acreditar e lutar para que a vida fique cada vez melhor”.

A Coopalm, com sede em Ituberá (BA), reúne mais de 500 associados e tem o objetivo de orientar técnica e financeiramente os agricultores familiares. A cooperativa tem contribuído para a inclusão social dos produtores, possibilitando o surgimento de uma nova classe média rural.

 

Fonte: www.fundacaoodebrecht.org.br
Editado em: Dezembro de 2014

Rodovia Ituberá/Camamu – Km 10

45.443-000 | Igrapiúna | Bahia | Brasil

Fone: 55 73 3225-1219 | 55 73 3225-1267

www.cultiverde.com.br

© 2014 Cultiverde.Produtos Sustentáveis. Todos os direitos reservados

Contato